Pular para o conteúdo
Voltar

Procuradora fala que profissão de advogado é desafiadora

Everaldo Galdino PGE/MT

A | A

 

Há 29 anos atua como advogada  em  Mato Grosso, a procuradora do Estado, Denise Costa dos Santos Borralho.  Durante a entrevista, ela destacou que consegue conciliar o trabalho, os estudos e família. Natural de Goiânia (GO), desde dos  17 anos  vive em Cuiabá.  Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso em 1987.  É especialista em Direito do Trabalho e Direito Público. Foi membra das Comissões de Direito do Consumidor e dos Direito da Mulher da OAB/MT, e do Conselho Estadual do Direito da Mulher. Foi empossada na carreira de procurador do Estado no dia 15 de janeiro de 2002.  Nos trabalhos da Procuradoria Geral do Estado (PGE), atuou na Subprocuradoria-Geral de Precatórios, na Subprocuradoria-Geral do Interior, Subprocuradoria-Geral de Fiscal, Subprocuradoria-Geral de Judicial.  Foi subprocuradora-geral de Controle Interno e de subprocuradora-geral de Defesa do Meio Ambiente.  Hoje, a advogada pública  compõe novamente a equipe de procuradores da Subprocuradoria Judicial. Nesta sexta-feira (11.08),  Dia do Advogado, ao falar de  suas experiências no setor privado e público, frisou que a escolha da profissão foi “interessante e desafiadora”. Segue a entrevista.

PGE- Por que você escolheu essa profissão?

R - Porque achava essa profissão interessante e desafiadora.

PGE – 11 de agosto, Dia do Advogado. O que a data significa pra senhora? Costuma comemorar a data com outros colegas?

R – Considero essa data importante, porém, por ser uma pessoa reservada, não participo de nenhuma comemoração, às vezes compareço nos eventos da OAB/MT.

PGE – Onde concluiu a Faculdade de Direito? Após concluir o ensino, houve alguma mudança na sua vida? O quê? Pode exemplificar?

R – Cursei e conclui a Faculdade de Direito na UFMT. A conclusão no curso de direito e a obtenção da Inscrição na OAB/MT melhorou a minha vida profissional, pois passei a trabalhar como advogada e obtive uma remuneração melhor, no início de minha carreira fui advogada do Município de Cuiabá, que na época ainda não possuía uma Procuradoria Municipal estruturada, e depois fui advogada do CREA/MT, contratada pelo regime da CLT, onde trabalhei durante 07 anos.

PGE – Comente sobre o ensino que teve?

R – Considero a minha formação acadêmica muito boa.

PGE – Trabalho, estudos, família, podem ser conciliados? Como?

R – Sim, formei com 22 anos e grávida da filha Maritza (primogênita), e comecei a trabalhar como advogada após ela completar 04 meses. Quando eu trabalhava no CREA/MT exercendo a função de advogada tive mais duas filhas, Michaela e Mirella, sendo que a diferença entre elas é de 01 ano e 02 meses, e logo que encerrava a minha licença maternidade, eu retornava ao trabalho.

Em maio de 1995 sai do CREA/MT e montei o meu escritório profissional. Após iniciar a trabalhar como autônoma comecei a interessar pela advocacia pública, foi quando resolvi estudar para o concurso público, mesmo tendo três filhas pequenas e um escritório que teria gerar renda.

Em 2001 obtive a aprovação no concurso para o provimento do cargo de Procuradora do Estado, no qual fui classificada em 4º lugar, apesar de ter três filhas pequenas. Em 15/01/2002 tomei posse no Cargo de Procuradora do Estado, onde permaneço até esta data.

O histórico da minha vida demonstra que é possível conciliar trabalho, estudo e família, pois as minhas filhas não tiveram prejuízos como a minha buscar por uma carreira profissional, atualmente todas são formadas, tenho duas filhas advogadas e uma médica, que cursaram excelentes faculdades e formaram na idade previsível.

PGE – Uma pessoa que tem formação em Direito pode atuar em vários setores. No mercado de trabalho, em qual desses setores a senhora acredita que mais rende profissionalmente? Por quê?

R – Na verdade o sucesso financeiro está diretamente ligado à dedicação do profissional, a advocacia privada oferece um excelente retorno financeiro, porém, para que atinja este objetivo é necessário dedicação, aperfeiçoamento e tempo para se tornar conhecido no mercado. A Advocacia Pública, a Magistratura e o Ministério Público fornecem uma excelente remuneração e estabilidade financeira.

PGE – Há quanto tempo atua na área da advocacia?

R – há 29 anos.

PGE – O que a senhora faz para colaborar com a classe dos advogados no Estado onde vive?

R – Já participei na OAB/MT da Comissão do Direito do Consumir e da Comissão do Direito da Mulher.

PGE – Sobre a frase “Estudar ou qualificar nunca é demais”. Comente.

R – A qualificação do profissional da advocacia é extremamente importante, para que se mantenha atualizado, uma vez que nossas leis mudam constantemente. Durante o ano faço diversos cursos de atualização, gosto de estudar.

PGE – Dizem que os advogados são formadores de opinião. Nesse sentido, você é praticante nas discussões dos assuntos políticos, econômicos, comportamentais e outros? De que forma a senhora se manifesta?

R – O advogado é na verdade formador de posicionamento jurídico, pois é por meio de suas teses, que são criadas as jurisprudências. As alterações comportamentais são fruto da sociedade, o advogado apenas aplica essas alterações em suas lides, como é o caso da mudança do conceito de família e das discussões de gênero. Geralmente as discussões políticas e econômicas são realizadas por pessoas da área, as alterações são aplicadas pelos advogados em suas lides. Gosto de observar os debates políticos e econômicos, mas, não sou filiada a nenhum partido político. Em relação às alterações comportamentais, familiar e de gênero manifesto nos debates promovidos pelos cursos que participo.

PGE – Qual a mensagem que queira deixar para quem pretende seguir a carreira na área advocacia?

R – Dedicação, ética e aperfeiçoamento.

PGE – Informe sobre a sua formação e experiência?

R – No dia 10/10/1987 colei grau no Curso de Direito, sou especialista em Direito do Trabalho, Direito de Estado e Direito Publico. Participei das Comissões de Direito do Consumidor e dos Direito da Mulher da OAB/MT, sou Membro do Conselho Estadual do Direito da Mulher.

Fui advogada privada durante 14 anos. No dia 15/01/2002 tomei posse no Cargo de Procuradora do Estado, passando a exercer a advocacia pública, tendo trabalhado na Subprocuradoria-Geral de Precatórios, na Subprocuradoria-Geral do Interior, Subprocuradoria-Geral de Fiscal, Subprocuradoria-Geral de Judicial, onde estou lotada atualmente, também exerci os cargos de Subprocuradora-Geral de Controle Interno e de Subprocuradora-Geral de Defesa do Meio Ambiente.